quinta-feira, 22 de junho de 2017

Minha Identidade

Minha Identidade


Por muito tempo desejado
Encurtei a distancia da eternidade
Trazendo a paz a felicidade
Cheguei no tempo do forró pegado
Meus pais e eu, um só coração amado.
Para completar a festa dos três santos
Aqui tem comida boa que é um encanto
O pão nosso é cuscuz guisado de bode
Forró a noite inteira só para quem pode
Estou em casa, no meu recanto.


Meu pai escritor e poeta
Nunca foi um visionário
Nem desejou se milionário
Almejou a Luz do profeta
Com a sorte da coleta
Minha mãe é toda formosura
Às vezes brava, parece uma censura.
Com lindos olhos de jabuticaba
Onde meu pai abestado se acaba
Rogamos ao Divino toda Proteção
Aos três corações, muita união.
A uma estrada bem iluminada.


Assim começa minha vida
Ou será que continua a lida?
Na espiritualidade a prometida
Família com uma grande missão
De Paz, Amor e Gratidão.
Sou o João agraciado por Deus
A tudo que passou damos adeus
Emmanuell, o Senhor Conosco.
Criança iluminada eu sou...


Fernando Matos
Poeta Pernambucano



terça-feira, 20 de junho de 2017

Incompleto

Incompleto



Não desejo mais ouvir a verdade
Algo que prejudique a lógica de ser
Tornando-me ferozmente incapacitado
Tenho uma estrada curta ainda por viver.


Nunca mais verei a terrível verdade
Cegos estão nas madrugadas escuras
Que se esconde na atroz vaidade
Corvos se alimentam de carnes impuras.


Jamais voltarei a te tocar verdade
Retornei ao âmago do único templo
Onde a música pura me invade
Redirecionando o ponteiro do tempo.


Voltei ao caminho do meio
Resisto aos embustes sombrios
Rebato cada pensamento alheio
A certeza da vitória com brio
Ser Completo é tudo que anseio.


A Verdade reside no silêncio
Faz eterna moradia espiritual
Construindo o novo Homem
Para a Grande Batalha Final.


Fernando Matos
Poeta Pernambucano











segunda-feira, 12 de junho de 2017

A Luz da Poesia

A Luz da Poesia


Certo dia você apareceu
Dando a vida e sentido
Ao novo caminho desconhecido
Apenas um beijo você ofereceu.


Destino estranho e predestinado
Uma volta por cima e outra por baixo.
Nosso livro é o único que não lemos
Enquanto temos a vida nessa dimensão.
Páginas em branco preencheram com versos
Os mais diversos textos de emoção
Plena de uma grande história verdadeira
Frutos de um amor brotado como videira
Lembranças guardadas em nossa canção.


Do mesmo jeito que o sentimento veio
Certo dia você desapareceu
Tormentas afloraram no mar de Poseidon
Aprimorando o dom desse velho poeta
Que não é visionário nem profeta
Revelando a vida obscura do Armagedon.
Terra nova... A Luz da Poesia se deu
Imaginação que tudo oferta
No coração de quem nunca esqueceu.


Fernando Matos
Poeta Pernambucano




















sexta-feira, 9 de junho de 2017

Justificado

Justificado



Não quero seus sonhos
Cansei dos intensos desejos
Embriaguei-me dos beijos
Tudo em demasia é medonho
Os abraços secos... Estranho.
Liberdade a fantasia explícita.
Não limita e excita os afagos
Objeto de comportamento
Saliente sabor amargo...


Devolva-me a saliva
Ativa em teu corpo ardente
Germinando o grão docemente
Suor extraído e perdido
Entre lençóis empoeirados
Provas de um crime circunstancial
Perdidamente passional...
Não me leve a mal o fruto adocicado
Extraído das entranhas de tua carência.
Amanhã reiniciaremos esse ato carnal
Impróprio e não justificado.


Fernando Matos
Poeta Pernambucano


quinta-feira, 8 de junho de 2017

Celibatário

Celibatário



Respiro o ar impuro das emoções
Vento norte exalando maléfica essência
Morte certa de imperfeitas sensações
Grito no silêncio da noite...


Certa idade almeja-se companhia
Em revelia o desejo forte de querer mais
Sentença da perpetuidade
Contumaz vontade própria
Joia da beleza reconhecida
Preciosidade levada à escória.
O desejo amargo do celibatário
Princípio espiritual do Homem
Farpas e beijos se consumem
Relacionamentos de aberto cenário
Coxias limpas, monólogo da solidão.
O vazio interior pobre e revolucionário.
Carente de aplausos no coração
Único perdido na multidão.


Excitado acordo, presentes alucinações
Lavo e enxáguo o rosto precificado
Pensamento vivo em vários corações
A família me espera a mesa
Na certeza de aniquilar abstrações...


Fernando Matos
Poeta Pernambucano








quarta-feira, 7 de junho de 2017

Pedras no Caminho

Pedras no Caminho



Corpo duro, caminhada árdua.
Alma de natureza rochosa
Órgão coberto de mágoa
Língua ferina e ardilosa.


Excrescência retirada do equilíbrio
Excesso que nasce entre espinhos
Pureza comprometida por um fio
Pássaros já não cantam em seus ninhos.


Inquietude que nos devora
Sociedade que regurgita
O bem nos põe a toda prova
A criança solitária no silêncio grita.


Asseveração atrás das trincheiras
Fortificando o pensamento vazio
Os soldados mortos voltam em fileiras
Pedras no caminho de um mundo sombrio.


Fernando Matos
Poeta Pernambucano



domingo, 4 de junho de 2017

Atitude

Atitude




Tome posse do tempo
Tudo que for necessário
Desfaça-se do descontentamento
Não construa regras nem horário
A liberdade reside no pensamento.


Sentir alívio sobre todos os temores
Utilizar do canto do pássaro
Como balsamo para as dores.
Enxergar tudo com nitidez
Deixando a estupidez na escuridão
Necessitamos de felicidade no coração.
Desapegue-se das feridas
Segure com Fé a Bênção Prometida
Torne-se amável aos olhos estranhos
Acredite que o querer é poder
Quando existe razão de fazer o bem
Aos filhos do Criador... Amém.


Estejamos cientes do nosso sofrimento
A dor como purificação do espírito
Habilidade para conscientização
Da identidade espiritual
Neste mundo carnal...


Reservemo-nos num espaço sozinho
Compartilhando apenas a nossa razão
Escondido do mundo vizinho...
Postura de prática altruísta que assumimos.
O orgulho não eleva autoestima
A alma só se anima quando habilidades
Proporcionam prazer à Luz que vem de cima...


Imprudência tomar decisões precipitadas
O bom guerreiro não sai em batalha
Apenas com a coragem e mãos desarmadas.
Decisão inapropriada causa dor
A carne sofre e o espírito não evolui...
Nem flui a Sabedoria do Criador.


Sempre que puder busque apoio
Pois na separação do trigo do joio
As pessoas positivas alcançarão
A almejada compreensão fundamental
Expurgando as dores do sentimento
Elevando no Ser ao Mundo Transcendental.


Não se apegue não se prenda...
Aprenda a amar as coisas como são
Aceitando a mais iluminada relação
Enxergar o lado bom do Ser...
Viver para entender a Grande Viagem
Sem se perder na obscura miragem.
Por mais que pareça impossível
Todo o visível um dia acaba
Restando apenas a motivação
A virtude de compreender
Que o Amor supera qualquer Paixão.


Fernando Matos
Poeta Pernambucano



sexta-feira, 2 de junho de 2017

Perdidos no Tempo

Perdidos no Tempo



Almejo ter tempo e poder
Entender o tempo que vagueia
Em meu pensamento...


Perdi tanta oportunidade
Que a idade confundiu as ideias
Parte da vida que distancia
A juventude da velhice anseia.


Alguns intervalos para pensar
Lá se foi o beijo perdido
O desejo esquecido de querer
Estar com você na noite de luar.


Circunstância oportuna
Onde a pessoa afortuna
O Presente, passado...
Ao lado do coração amado
Construindo um futuro.


A velocidade da leitura
Não dura à eternidade da emoção
Que tentei a todo tempo
Ficar em seu pensamento
No desejo que dure para sempre
Esse até breve em nossa mente.



Fernando Matos
Poeta Pernambucano




quinta-feira, 1 de junho de 2017

Puramente Ideal

Puramente Ideal



Agora que a chuva passou
Já sinto a distância entre nós
Volto a ser o que sou...
O poeta das nuvens passageiras.


Ontem cada pingo na terra
O frio que convidava nossos corpos
A entrelaçarem numa noite
Que teima ficar e não se encerra...


Guardarei como troféu único
O beijo quente e adocicado
Após a ação do desejo alcançado.
Sentimento certo, mas platônico.


Fernando Matos
Poeta Pernambucano


segunda-feira, 29 de maio de 2017

Falando de Amor

Falando de Amor



Palavra tantas vezes proferida
Cantada e Versada, assim é o Amor.
Na tristeza, na alegria, na dor de uma Vida...
Lá estão todos buscando razão para o Amor.


Sentimento afetivo único ao Humano
Cuidado regado como a Seiva Divina
Razão para se viver ano após ano
Existem versos que o poeta não rima?


A pessoa amada supera a paixão
Pois o Amor é o complemento da alma
Apaixonados sofrem sem razão
Na Árvore da vida que o Ser se acalma...


Não existem motivos para entender
Esse significado na jornada
Alguns nunca irão compreender
Que um gesto de devoção serenada
A vida humana ao caos irá sobreviver.


Fernando Matos
Poeta Pernambucano

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Por Onde Passei

Por Onde Passei



Todo local percorrido logramos vida
Viajando com palavras e ações
Petrificando ou emocionando corações
A terra nunca é uma história prometida.
Por livre arbítrio foi à estrada escolhida
Lágrimas umedeceram searas secas
Alegria para quem vive dessa colheita
Se viver apenas acordando é o seu jeito
Abre os olhos da alma ao mundo perfeito.
Pois a cama da Paz os justos... Se deita.


Meus pés feridos e ensanguentados
Mostram apenas parte do corpo maltratado
Que vive um ideal de sonho não acabado
Poetas de todas as emoções rimadas
Temos contos e vidas passadas
Jornada que nos fez fértil de palavras
Em papéis e declamações improvisadas.


Minha terra tem vias históricas
Cada esquina um nome a lembrar
Fotografias de molduras pictóricas
Meus passos alguém há de relembrar.


Fernando Matos
Poeta Pernambucano






segunda-feira, 22 de maio de 2017

Independência Litigiosa

Independência Litigiosa


O mundo está perdido
Todos carentes de atenção
Do fraterno abraço amigo
Olho a olho, coração em coração.


Nosso medo de Liberdade
O pavor de agir na caminhada
O preço alto da Lealdade
Perseverança na Fé... Ora abalada.


Impávido é quem busca Verdade
Batalhas em cada amanhecer
Combater a covardia que nos invade
Quem almeja liberdade
Faz acontecer...


Fernando Matos
Poeta Pernambucano




sexta-feira, 19 de maio de 2017

O Que Dizer de Ontem...

O Que Dizer de Ontem...



Hoje acordei de um sono incompleto. A noite longe e escura escondeu-me as clarezas de uma Vida inteira, de canções antes inesquecíveis e hoje perdidas nas lembranças do desatino. Quando me dei conta o seu adeus já estava além de uma fotografia amarelada, no álbum todo empoeirado e ser jovem é também vestir-se de ilusão temporária que perdura na maturidade.


Ainda fico com a mão transpirando só em pensar nos bons e inocentes momentos que vivemos. As cartas trocadas e depois queimadas e resgadas com o nosso distanciamento. Foi nesse tempo que rabisquei os primeiros versos de amor, uma rima inocente como o nosso perdido e louco amor de juventude. Cada estrofe era um suspiro, as rimas feitas de coração      enchiam-nos de fortes emoções e eternas juras... Foram.


Na encruzilhada uma bifurcação, destinos atrapalhados e apenas uma          (In) certeza, de que o mundo girando cada dia mais rápido quem sabe algum momento de nossas frágeis únicas vidas carnais pudéssemos nos ver pela última vez. Atualmente ando mais devagar, as forças esvaem-se por entre os dedos poéticos... Outrora tudo era um motivo de lembrança guardada, nosso quarto parecia um museu em construção... Tudo se perdeu no tempo atemporal de nossas mágoas e vinganças assim como uma melodia rica em altos e baixos compondo e orquestrando o grande final nosso último beijo deixou registrado na história humana à beleza de um verdadeiro amor... A gente não sofre por amar, mas deverás por apaixonar-se e a música em breve findará e meu último desejo seria ouvir seus aplausos já que nossos corações se eternizaram nas páginas do infinito desejo. 


Fernando Matos
Poeta Pernambucano

http://poetafernandomatos.blogspot.com.br/

sábado, 13 de maio de 2017

Ser Essencial

Ser Essencial



Hoje você sente falta
Do carinhoso abraço
Que acalentava as noites vazias
Enriquecendo cada manhã dos nossos dias.


Hoje a saudade é infinita
Daquele sermão com voz severa
Lição humana que foi dita
Trazendo mais luz a primavera.


Hoje o sabor da boa comida caseira
É apenas uma lembrança solta
A foto no canto da cabeceira
É a recordação mais viva de uma vida.


Hoje as noites de insônia
Não tem os cânticos de ninar
Que afastava o fantasma da noite
Com o cheiro suave de colônia.


Antes que o hoje se transforma
No Amanhã de longas manhãs
Faça cada hora não ser estranha
Abrace e se permita...
Ser feliz sem esperar o dia especial
Onde o sentimento é verdadeiro
Que Brota o Ser Puro e Essencial.


Fernando Matos
Poeta Pernambucano



sexta-feira, 5 de maio de 2017

Nossos Passos

Nossos Passos



Conhecimento é evolução eterna
Prova de fogo a superar
Olhar para o alto, força externa.
Mãos fortes e amigas... A cooperar.


Maturidade é um efeito adverso
Lograr com atitude benéfica
Espaço da vida sempre aberto
Descoberta terá a sua hora certa.


Vaidade apenas na contra foto
Moderação das virtudes
Concordância ética é fato...
Decência nas atitudes.


Nossos passos chegarão ao epílogo
Desfecho de uma batalha de glórias
Superando contratempo do prólogo
Ao Criador honrosas dedicatórias.



Fernando Matos
Poeta Pernambucano