quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Suave Brisa Poética

Suave Brisa Poética



Deleitando-me com uma Bossa Nova
Lembranças de um passado distante
O espírito todo tatuado foi à prova
Que a estrada foi bonita o bastante.

O vento bate lascivo no velho corpo
Andanças nos paralelepípedos saudosos
A saudade comprova que não estou morto
Ainda...
Recife, minha poesia de versos caridosos.

Não sou puro por ter sensibilidade
Também fui vítima de toda maldade
A melodia da Nova Bossa
Encosta no meu Ser pragmático
Estático ao som do violão
Mexe com o coração poético...
Vou ali e não sei se volto... Então.


Fernando Matos
Poeta Pernambucano



sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Harmonia Poética

Harmonia Poética



Na vida apreendi a Ser Guerreiro
Carregando a mais pesada armadura
Sendo o próprio e melhor armeiro
Nenhuma dor na Luz Perdura...

Não tenho uma religião
Carrego no coração a Divina Oração
Que me leva até o Deus Pai Criador
Ajoelhado levo meu louvor
Minha espada fumegante
Que garante a melhor batalha
À noite tiro toda a trava do olhar
Resignando-me do próprio erro
Cabisbaixo choro no elevado altar...
Desterro da alma em solidão
Minha força vem da alta canção
Mensageiros de Luz e devoção
Que toda dor traduz em energia
No final de tudo sou um escritor
Da harmonia inspirada em Poesia.


Fernando Matos
Poeta Pernambucano

Embaixadores das Letras

Embaixadores das Letras



Louvarei teu santo nome, Senhor...
Que através de Vossa Grandiosa Bênção
Colocou-me amigo das letras, então...
Mensageiro do Universo... Escritor.


Temos a grata função de unir as pessoas
Com tantos direitos e deveres a seguir
Tudo se torna feliz na declamação
Que levamos do puro sentimento, coexistir
Emanando Luz a todo coração.


Toda criação é luminosidade
Que reflete na alma interior
De toda uma carente sociedade
Somos responsáveis por esse fulgor.

Escrever é trasladar O Desejo Divino...


Fernando Matos
Poeta Pernambucano



quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Divina Paternidade

Divina Paternidade



Sou Criança em busca da Felicidade
Sorriso puro, Luz Forte e Verdadeiro
Construindo a Paz do Divino Cordeiro
Conquistando alicerces de amizade.

A criança nos ensina a viver a Paz
Sonhos e brincadeira guardada
No âmago da história herdada
Energia vital que renova e apraz.

Sons infantis na caixinha musical
Rememora o brilho dos parques
Universo etéreo e fundamental.

Toda Criança semeia a equidade
Olhar fixo além do horizonte
Valor casto da Divina Paternidade.


Fernando Matos
Poeta Pernambucano


terça-feira, 10 de outubro de 2017

Renuncia

Renuncia



Hoje senti na alma forte agonia
Inerte às maravilhas dos meus versos
Tudo escurece, é triste o universo
Dor que lacera e rasga a autonomia.

Grito no silêncio escuro da alma
Sensibilidade que aflora na algia
Sofro, mas não abandono a poesia
Epifania poética ao corpo acalma.

Lamúria só aumenta o sofrimento
Agradeço ao Divino Pai Eterno
A condição merecida do livramento.

Sorrir e o ensejo da vida merecer
Caminho feliz no aluído soneto
Condescendente ao novo alvorecer.


Fernando Matos
Poeta Pernambucano


quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Vivendo Essa Massa

Vivendo Essa Massa



Faço parte de uma massa
Que acorda cedo com os passarinhos
Costume antigo que trago com carinho
Povo que a tudo rende graça
Fazendo feliz em toda estrada que passa
Alguns acham fácil a palavra trabalhar
Outros até precisam muito estudar
Mas lhe digo com toda a franqueza
O amor ao próximo é a nossa certeza
Que bons versos irão poetizar.


Quando descobri a poesia
Foi na minha doce e pura juventude
Através de um livro que tive essa atitude
Que saudade parece que foi outro dia
Digo contente, foi a minha melhor travessia.
É tão bom brincar com a palavra
A alma não se sente escrava
De uma sociedade impura e oprimida
Cada verso tem uma história vivida
Doces recordações que tudo inspirava.


Voltei ao braço poético
Onde cada sarau é pura fantasia
Digo isso com o espírito cheio de alegria
Cada estrofe é puro anestésico
Às dores da alma e no coração cético
Ser poeta é estar e viver noutro mundo
Onde o respeito ao próximo é mais profundo
É maravilhoso conviver com essa massa
Recitando, cantando e sentir toda a graça
Que toda estrada poética nos leva ao novo mundo.


Fernando Matos
Poeta Pernambucano


terça-feira, 3 de outubro de 2017

Entre Lençóis, Só Nós...

Entre Lençóis, Só Nós...



Observo com cuidado os lençóis
Ainda limpos e bem passados
O cetim ainda não teve o “Nós”
Perdidos e loucamente apaixonados.

Recomeço a caminhada sem orientação
Agora o amor é inevitável e sem controle
Irei digitar minha senha: emoção
As mãos no sobe e desce... Total descontrole
Nosso olhar animal mostra a direção
Que no final ninguém mais sabe
Quem merece o calor oferecido
Desgastados, porém o ápice merecido.

Tamanha loucura é sonhar o real
Estou aqui e você entre os lençóis
Agora amassados e tudo normal
Um gole na taça do prazer
Recomeçando tudo que pode entre nós...


Fernando Matos
Poeta Pernambucano